Após encenar recentemente na Câmara um tiroteio, em protesto contra o decreto que facilita o porte de armas, o parlamentar se ofereceu para ser um interlocutor da Casa com o presidente Jair Bolsonaro, por ser “doido”. “Eu entendo que é chegada a hora de buscar uma interlocução. Essa Casa precisa tirar uma comissão ou um parlamentar para conversar com o presidente da República. E pelo perfil dele, me sinto preparado para ir até ele, se for necessário. Venho da Bahia, sou conhecido como doido. E para conversar com doido, só outro doido”, discursou o deputado, para risos e aplausos dos oposicionistas.