O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou o envio ao Tribunal Regional Federal da Primeira Região de cópias de depoimentos de delações da Odebrecht que envolvem Antonio Carlos Magalhães Neto (DEM), prefeito de Salvador. Fachin também determinou o envio do material à respectiva Procuradoria Regional da República. Segundo o Ministério Público, os colaboradores André Vital Pessoa de Melo e Benedicto Barbosa da Silva Júnior teriam narrado o pagamento de contribuição eleitoral não contabilizada destinada para ACM Neto no contexto das eleições de 2012 para a Prefeitura de Salvador. O prefeito de Salvador, Antonio Carlos Magalhães Neto, o ACM Neto, reagiu nesta quarta-feira aos trechos relacionados a ele em delações de ex-executivos da Odebrecht e, em nota à imprensa, diz que “todas as doações de empresas privadas para a sua campanha de 2012 na disputa pela Prefeitura de Salvador foram realizadas de forma legal, recebidas pelo partido – Democratas – e registradas na Justiça Eleitoral, como determina a lei.” O prefeito de Salvador negou a existência de doações não contabilizadas e disse que suas contas de campanha foram aprovadas pela justiça eleitoral. Segundo nota da assessoria de comunicação da Prefeitura de Salvador, ACM Neto disse que o processo licitatório para a requalificação da orla da Barra “decorreu dentro da mais absoluta transparência e legalidade.” ACM Neto disse que espera o conteúdo integral da petição encaminhada pelo ministro Edson Fachin, do STF, “para ter a oportunidade de prestar à Justiça todos os esclarecimentos necessários.”